Política

Argentina: Presidente Macri é acusado de tráfico de influência por beneficiar empresa aérea ligada a seu pai.

Macri é acusado de tráfico de influência por beneficiar empresa aérea

qui, 02/03/2017 – 10:29

Jornal GGN – Mauricio Macri, presidente da Argentina, está sendo acusado por um procurador de tráfico de influência e formação de quadrilha por beneficiar a empresa aérea Avianca, ligada a seu pai, o empresário Franco Macri.

Jorge Di Lello, da Procuradoria Criminal e Correcional Federal, pediu que Macri, seu pai, funcionários do governo, membros da Avianca e empresários do setor aéreo sejam investigados por supostos crimes na concessão de rotas aéreas na Argentina.

Em 2016, a empresa colombiana comprou a companhia aérea Macair Jato, de propriedade do conglomerado liderado pelo pai do presidente argentino.

No dia 20 do mês passado, um juiz autorizou a investigação sobre a participação de Macri um acordo para abater a dívida de uma empresa que operou o serviço de correios do país de 1997 a 2003, também de propriedade de Franco Macri.

Para o procurador,  há a “possível comissão dos crimes de formação de quadrilha, negociações incompatíveis, defraudação contra a administração pública e tráfico de influência”. Di Lello pediu ao juiz Sergio Torres que seja esclarecido se o governo tentou beneficiar a Avianca na concessão de rotas, dentro do processo de abertura do mercado aéreo iniciado pelo governo argentino no final do ano passado.

“A A.N.A.C. (Administração Nacional de Aviação Civil), oficializou a entrega de rotas aéreas a ‘Avian Linhas Aéreas’, através dos pareceres da Junta Assessora do Transporte Aéreo da Audiência Pública número 218, autorizando a concessão por 15 anos de todas as rotas solicitadas, nas quais atualmente opera a [empresa estatal] Aerolíneas Argentinas”, diz o texto do procurador.

O governo Macri negou o conflito de interesses na outorga de rotas aéreas para a Avianca, falando na “vocação absoluta de conectar o país, multiplicar os voos e dispute quem quiser disputar”, segundo Marcos Penã, chefe de gabinete de Macri.

São investigados também o secretário-geral da presidência da Nação Fernando De Andreis e o ministro de Transporte, Guillermo Dietrich, o proprietário do grupo de empresas que forma a Avianca, Germán Efromovich, do diretor-executivo de Avian Linhas Aéreas (matriz da Avianca), Carlos Benjamín Colunga López, e do titular de Unidos Air S.A., Diego Martín Colunga López.

A denúncia também aponta para o fato de o governo ter deixado de usar a frota de aviões presidenciais para utilizar serviços de empresas privadas.

Com informações do Opera Mundi e Agencia Efe

Leave a Reply

Theme by Anders Norén