Geral, Política, Vida e Comportamento

A doméstica de Guedes é a classe média candidata a opressora, por Armando Coelho Neto; Ao se referir às domésticas, Guedes apenas assumiu o preconceito contra pobres em geral

A doméstica de Guedes é a classe média candidata a opressora, por Armando Coelho Neto

Ao se referir às domésticas, Guedes apenas assumiu o preconceito contra pobres em geral. Agora, aos apoiadores do golpe de 2016 só falta assumir que houve golpe mesmo.

A doméstica de Guedes é a classe média candidata a opressora

por Armando Rodrigues Coelho Neto

Há uns três anos, eu estava com uma amiga em Fortaleza, a qual procurava um pequeno apartamento para comprar. Num dos imóveis visitados, o corretor mostrou o que seria o quarto de empregada doméstica. Com ar irônico, ele disse: “Esse quarto pode ser reversível. Afinal de contas, empregadas domésticas, hoje, você sabe, né? Estão cheias de direitos e não querem mais dormir no trabalho”. Sem cumplicidade para o que dizia, desconversou dizendo que se tirasse a parede a sala ficaria maior e o banheiro poderia se transformar em lavabo. Tão simples quanto acabar com a biblioteca do Palácio do Planalto para Dona Micheque vadiar.

“Empregada doméstica indo para a Disneylândia, uma festa danada”. (Paulo Guedes, ministro da Economia)

Em que pese o esforço de inclusão do Partido dos Trabalhadores, empregadas domésticas, como regra, não viajavam para Disney, exceto como babá. Nem com o dólar a R$ 1,80, nem com gás e gasolina a preços (objetiva e ou nominalmente) mais baixos, aquela categoria tinha ou teria, em tese, como custear uma viagem para o famoso parque, em Miami. Portanto, foi sem dúvida mais um “pronto falei” do chupim Paulo Guedes, o sanguessuga do povo que dois dias antes chamara servidores públicos de parasitas.

Ao se referir às domésticas, Guedes apenas assumiu o preconceito contra pobres em geral. Agora, aos apoiadores do golpe de 2016 só falta assumir que houve golpe mesmo. Eles continuam a tratar o impeachment como tal e as eleições presidenciais passadas como limpas (com a impagável cumplicidade das instituições controladas pelas elites).

Nenhum daqueles episódios sobreviveria a uma sindicância mal feita, quanto mais a uma avaliação mais profunda. Como dito antes neste GGN, nos primórdios dos protestos de 2013, a rigor não se via pobre na rua, mas sim gente que não gostava de pobre. Depois, os atos se reconfiguraram com apoio da mídia golpista, por meio do incentivo ódio, quando sim, pobres enganados e induzidos foram às ruas.

O povo odiado pelo golpe foi usado para o golpe e isso não é um trocadilho. Nunca é demasiado lembrar que pesquisa Data Folha divulgada em março de 2013, Dilma Rousseff tinha 65% de aprovação popular, inclusive de empresários. O índice de confiança era de 84% e as agências de avaliação estrangeiras conferiam ao Brasil altos índices de confiabilidade. Os protestos de junho 2013 foram, portanto, uma instrumentalização do golpe contra o povo. Isso prova a artificialidade daquilo sobre o que se pretende fabricar explicações oblíquas, sejam políticas, econômicas, de gestão (na base do como seria se assim não fosse).

A proposito da fala de Guedes, assisti entrevista do sociólogo Jessé de Souza para o economista Eduardo Moreira. Ele diz que o racismo de cor e de classe contra o povo estão fundidos, e que o próprio falso moralismo tão presente na classe média embute preconceito. Além disso, tem como ingrediente novo colocar povo contra povo – o povo certinho que apoia o governo e vai à igreja e o pobre que de alguma forma resiste que é criminalizado.

O ódio ao povo destilado pelo Chupim, diz Jessé, expressa o desprezo da classe dominante e seus acólitos pelo povo, especialmente os mais pobres. A elite golpista já não usa metáforas e tornou explícito esse sentimento. Há um ranço escravocrata que vai além do econômico e avança pelo prazer sádico de humilhar o pobre, o mais frágil. Segundo ele, não se permite sequer ao pobre, o direito de sonhar. Justamente o contrário, digo eu, do pensamento de Lula que, numa despedida em Recife, se declarou “um construtor de sonhos”.

Ao se referir às domésticas, Guedes apenas verbalizou o desprezo das elites. Em 2012, a jornalista Danuza Leão disse que ser rico perdeu o sentido. “Ir à Nova York já teve sua graça, mas, agora, o porteiro do prédio também pode ir, então qual a graça?”.

Digo, pois, que a fala do Chupim apenas reforça as teses de que não foi nem a economia nem a corrupção que derrubou Dilma Rousseff, nem levou Lula à cadeia. Tudo é fruto do ódio pela da presença de pobres e negros nas universidades, nos açougues, aeroportos, trocando jegue por motoca, comprando lajota, fazendo puxadinho e sonhando com mais e mais. “O povo quer mais”, disse Lula a uma televisão estrangeira, quando perguntado sobre os protestos de 2013.

Numa excelente intervenção, Eduardo Moreira lembra a fixação da palavra pobre por parte do Chupim, sempre associada ao que é ruim ao que não dá certo. “O desmatamento é culpa do pobre, o problema é que o pobre não poupa, o problema é que o pobre foi pra Disney”.

Sim. A rigor, Guedes ainda que movido a preconceito, sabe que domésticas não iam à Disney. Pobre passou a ir ver a mãe nos rincões do Brasil afora, outros tantos vieram pra “Sumpaulo” ou foram ver o Cristo Redentor de costas (como na canção Subúrbio, de Chico Buarque).

A doméstica do chupim Guedes é, no fundo, o porteiro de Danuza e trazem a mesma raiz de preconceito. A doméstica de Guedes é a classe média que majoritariamente votou no Bozo, que fez dele capataz dela e do povão. Ela que passou a ir a Disney e se imaginou rica, sonhando em ser também mais opressora, candidata a capataz. Abraçou o moralismo barato e assistiu passiva a conversão de um juiz cafajeste em herói nacional, que junto com Guedes e Bozo, e a depender deles, essa classe média não voltará mesmo à Disney. É Foz do Iguaçu e olhe lá!  O Brasil? É a doméstica de Trump que queria ser país.

Armando Rodrigues Coelho Neto – jornalista, delegado aposentado da Polícia Federal e ex-representante da Interpol em São Paulo.

Leave a Reply

Theme by Anders Norén