Como se fabrica o déficit e outros mitos da reforma da Previdência, por Luis Nassif

Jornal GGN – Utilizado à exaustão para justificar a reforma da Previdência pelo governo Temer, o chamado déficit é historicamente fabricado. Em hangout disponível em um dos canais do GGN no Youtube, Luis Nassif explica como o governo faz malabarismos com números para criar o conceito de déficit.

Tudo começa quando criaram a Constituição e estabeleceram o benefício de prestação continuada e outros direitos sociais concedidos a trabalhadores do campo e outras previsões. Os constituintes definiram a forma de financiamento da seguridade social – uma parte deve sair do bolso do trabalhador e do empresário (com descontos na folha de pagamento) e a outra parte, do governo, que desvia uma série de impostos para formar esse caixa.

A ideia de déficit é fabricada pegando todos os setores que são contemplados com a aposentadoria, inclusive os que estão livres de tributação, como os servidores de igrejas e outros subsidiários, e inserem no mesmo pacote em que é aferido apenas a contribuição de empresas e trabalhadores contribuintes, excluindo os impostos captados pelo governo. “Esse déficit é falso”, diz Nassif.

O segundo mito é que a reforma da Previdência vai atrair imediatamente investimentos privados. “Mentira. O impacto inicial de uma reforma da Previdência é maior sobre as contas da Previdência, porque todo mundo sairá correndo para antecipar a aposentadoria.”

O terceiro ponto da reforma é o risco de desmonte da Previdência. “Se o trabalhador acha que não vai se aposentar, por que continuaria a contribuir?”

Outro aspecto é que, de fato, o crescimento da expectativa de vida do brasileiro demanda idade mínima e alterações graduais nesse quesito. Mas tudo deveria ser feito com debate, não “enfiando goela abaixo”.

Sem pacto social, lembra Nassif, não haverá projeto que se sustente a longo prazo, “a não ser que se faça uma aposta no Estado de exceção permanente”.

Comentários

imagem de Caetano.

Caetano.

É uma ótima notícia que o

É uma ótima notícia que o Nassif nos dá o fato de não existir déficit na Previdência. Mas ainda não estou convencido, falta listar os itens de receita e despesa e apresentar os valores. Segundo entendi da fala do Nassif, o governo não está contabilizando Pis/ Cofins e CSLL como receita para a Previdência. Aí vem as dúvidas:

-essa verba pode ser desviada para outras finalidades? Se pode, então aquela verba não é específica para a Previdencia. Se não pode, está havendo alguma ilegalidade, que precisa ser corrigida

-o déficit público previsto para 2017 é de 143 bilhões, mesmo considerando o Pis/ Cofins e CSLL. De onde então vai ser tirado aquele valor para para cobrir o déficit da Previdência? De algum lugar tem que sair, e são valores astronômicos.

Em resumo, existe déficit, porque tudo faz parte do orçamento global. A meu ver não há escapatória, nosso sistema está fora da realidade, comparando com outros países. Principalmente a aposentadoria dos servidores públicos.

imagem de Romanelli

Romanelli

CADÊ o caixa acumulado da

CADÊ o caixa acumulado da Previdência em todo seu passado ?

Responda isso e o mito da esfige acaba  ..já imaginou ?! com a SELIC dos ultimos 25 anos, em quanto estaria o caixa desta  “autarquia” se tudo tivesse sido remunerado pela taxa do próprio governo e sido incorporado no SALDO do sistema?

Na pratica a Previdencia não é solidária  ..o RESTO da sociedade toma a grana dela e não a remunera (nem devolve)

Claro que ainda sobra a MANIPULAÇÃO nunca esclarecida dos aposentados (publicos x privados x militares x suas contribuições) e dos assistidos como os ruralistas e idosos famélicos (versus as outras fontes SURRUPIADAS do sistema que tinham sido criadas pra isso)

e por se falar em transparência  ..quando a MIDIA vai publicar estes dados de forma cristalina ? será que algum dia saberemos ?  ..pq senão  ..é um diz que me diz de ouvir dizer desgraçado