Supremo adia decisão sobre Aécio e solta irmã e primo, além de assessor de Perrella

Foto: PSDB
a
Jornal GGN – A primeira turma do Supremo Tribunal Federal decidiu colocar Andrea Neves e Frederico Pacheco, irmã e primo de Aécio Neves, respectivamente, em prisão domiciliar. A decisão se estendeu ao assessor parlamentar de Zezé Perrella, Mendherson Souza Lima, que também será beneficiado pelo julgamento que ocorreu na tarde desta terça (20), marcado por reviravoltas nos votos de Luiz Fux.
a
Na semana passada, Fux havia ajudado Rosa Weber e Luis Roberto Barroso a formar maioria contra a liberdade de Andrea Neves. Hoje, porém Fux decidiu acompanhar Marco Aurélio Melo e Alexandre de Moraes no voto a favor da prisão domiciliar com monitoramento para o assessor de Perrella. Mendherson foi flagrado pela Polícia Federal recebendo parte da propina de R$ 2 milhões que a JBS afirmou ter pago a Aécio em abril passado. O dinheiro foi levado para uma das empresas de Perrella, suspeita de lavagem.
a
Marco Aurélio, Moraes e Fux entenderam que a prisão domiciliar com monitoramento seria suficiente para impedir que Mendherson tente destruir provas dos crimes. Além disso, segundo relatos do BuzzFeed Brasil, Marco Aurélio e Fux disseram, exaltados, que quem propiciou a soltura do assessor de Perrella foi o próprio procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
a
Isso porque Janot teria conseguido a prisão de Mendherson, Fred e Andrea alegando suspeita de corrupção, lavagem, organização criminosa e obstrução à Justiça por parte dos investigados. Mas só os denunciou por um crime, o de corrupção. Dessa forma, apontou Marco Aurélio, os três podem aguardar em liberdade e que o pedido de Janot para manter os três encarcerados não passa de “retórica”.
a
A sessão chegou a ser suspensa por 30 minutos após o voto de Fux sobre Mendherson. A princípio, o ministro havia sugerido a liberdade dele com uso de tornozeleiras. Depois do intervalo, voltou dizendo que sofreu um “lapso” e gostaria de mudar o voto para que o assessor de Perrella fosse remetido à prisão domiciliar. O passo seguinte foi reverter a prisão de Andrea Neves para a mesma modalidade disposta a Mendherson. Ao primo de Aécio foi debatido, inicialmente, o uso da prisão durante o dia e permissão para ir para casa apenas à noite. Mas ao final, também concederam a ele a prisão domiciliar
a
No final da sessão, Marco Aurélio empurrou o julgamento dos recursos de Aécio Neves para a próxima semana. Isso porque a defesa do tucano demandou que ele fosse julgado pelo plenário do Supremo, e não apenas pelos membros da primeira turma.