“O problema do Brasil não era a Dilma”, diz Lula sobre o golpe

Foto: Ricardo Stuckert / Lula.com
a
Jornal GGN – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamou o juiz que o condenou a 9 anos e 6 meses de prisão, Sérgio Moro, de “czar”, em referência aos monarcas dos impérios búlgaro e russo, e os procuradores da força-tarefa de Curitiba, comandada por Deltan Dallagnol, de “jovens mal-intencionados”.
As declarações foram feitas à rádio Capital, de São Paulo, em entrevista na manhã desta terça-feira (18). Uma semana após a sentença por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o ex-presidente disse querer “provar que o Moro errou, que a equipe da Lava Jato errou” e que “mentiram demais”.
¶ 
“Não vou, depois de 70 e poucos anos de vida, permitir que meia dúzia de jovens mal-intencionados venham tentar jogar a minha imagem na lama. (…) O juiz Moro não pode continuar se comportando como um czar. Ele faz o que quer, quando quer, sem respeitar o direito democrático, sem respeitar a Constituição. E não deixa a defesa falar”, disse.
O ex-presidente também ressaltou o cenário político atual, como consequência após a queda da então presidente e sua sucessora, Dilma Rousseff. Se antes, em dezembro de 2014, o país apresentava “o menor índice de desemprego de sua história, 4,5% de desemprego”, com “padrão Suécia, Dinamarca e Alemanha”, com aumento de 74% no salário mínimo, hoje a situação é outra.
“Aqueles que deram um golpe falando que o país iria virar um paraíso deixaram o país pior. Aumentou nossa dívida fiscal, aumentou o desemprego e as incertezas”, afirmou Lula. “A Dilma terminou seu primeiro mandato com uma aprovação invejável. Mas tínhamos um presidente da Câmara (Eduardo Cunha) que trabalhava contra o governo, para que ele não desse certo. E esse foi um erro grave. (…) O problema do Brasil não era a Dilma”, certificou.
    ­­
Sobre a sentença do magistrado da primeira instância contra o líder petista, Lula reafirmou sua tese para a peça ser uma mentira: “a desgraça de quem conta a primeira mentira é que é obrigado a contar milhares para justificar a primeira, cabe a mim insistir que eles erraram”, disse.
¶ 
Para ele, o processo carrega o teor e a intenção meramente política: “a única coisa que foi levada em conta foi a necessidade de prestar serviço a quem quer que o Lula não dispute a eleição. Falei para o Moro no dia do meu depoimento que ele estava preso ao compromisso que ele tem com a imprensa.”
¶ 
E insistiu que acredita na Justiça brasileira: “Acredito que haverá de acontecer a Justiça em outra instância nesse país”.
Acompanhe a entrevista concedida à rádio Capital: