Com esse montante que não entra nos cofres da União, seria possível, por exemplo, construir milhares de postos de saúde equipados.

22/07/2017 11:00:56
O Dia

Brasília – Enquanto o governo repassa a conta da crise política e econômica para os consumidores, além de cortar mais de R$ 5 bilhões em gastos, a sonegação no País já atingiu a mastodôntica marca de R$ 315 bilhões nos últimos sete meses.

São R$ 18 mil reais sonegados por segundo e mais de R$ 1 milhão por minuto. Com esse montante que não entra nos cofres da União, seria possível, por exemplo, construir milhares de postos de saúde equipados.

Sem crédito

Os bancos públicos e privados permanecem no topo da lista de instituições devedoras da União. São R$ 124 bilhões que, se pagos, aliviariam o rombo nas contas públicas.

Sucateada

Os sonegadores estão sob a mira da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional que, assim como outros órgãos, está sucateada, com sistemas informatizados inoperantes.

Balanço

Nos últimos quatro anos, o trabalho dos procuradores da Fazenda Nacional resultou na recuperação de R$ 76 bilhões e evitou a perda de R$ 500 bilhões aos cofres públicos.

Triplo

O senador João Capiberibe (PSB-AP) engrossa o coro contra o aumento de impostos: “Estudos do Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional indicam que em 2015 foi sonegado o triplo do déficit anual nas contas do governo”.