Para comandante do Exército, saída da crise virá da eleição 2018

General Villas Bôas descarta qualquer chance de intervenção militar e afirma que saída para a crise “está nas mãos dos brasileiros”
a
Foto: Comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas (Agência FIEP)
a
Jornal GGN – Segundo último levantamento do Datafolha para avaliar a credibilidade de todos os poderes constitucionais do país, as Forças Armadas se destacam hoje como a instituição em que 40% dos entrevistados afirmaram que confiam muito e 43% que confiam pouco, colocando o Exército, portanto, como a organização que lidera a confiança da população no país.
a
Em entrevista à Folha, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, destacou que os números “impõem imensa responsabilidade” sobre as Forças Armadas, reforçando em seguida que a saída da crise do país “está nas mãos dos cidadãos”, que poderão, “nas eleições de 2018”, sinalizar o rumo a ser seguido.
a
Em meio a crise política que vem se agravando no país, o general Villas Bôas tem se destacado como uma voz moderada pontuando reiteradamente que não há necessidade e nem qualquer estrutura hoje para uma intervenção militar: “O Brasil e suas instituições evoluíram e desenvolveram um sistema de pesos e contrapesos que dispensa a tutela por parte das Forças Armadas, Hoje, elas estão cientes de suas missões e capacidades e mantêm-se fiéis aos ditames constitucionais”.
a
A credibilidade das Forças Armadas, entretanto, reforça a imagem de possíveis ‘outsiders’ como o deputado Jair Bolsonaro, um militar da reserva que faz questão de destacar entre seu eleitorado sua trajetória no Exército.
a
Em relação a essa postura, Villas Bôas respondeu que a forma como o Exército se posiciona a candidatura de Bolsonaro é de que “todo cidadão tem direito de ser candidato a qualquer cargo eletivo”, pontuando que, como instituição permanente, o Exército “serve ao Estado e não a pessoa”, entretanto, “e em última análise, é a população quem vai julgar os partidos e os candidatos, por intermédio do voto”.