Do péssimo jornalismo ao suicídio, panorama traçado pela ombudsman da Folha

Foto Isabelle Araujo/MEC

Jornal GGN – Na morte de Cancellier a constatação de que jornalismo carece de seriedade, de mais responsabilidade e de respeito aos cidadãos e instituições. Em síntese, esta é a análise da ombudsman da Folha, Paulo Cesarino Costa, que inicia com o que não deveria ter acontecido, o suicídio de Cavallier, para chegar ao motivo: a falta de profissionalismo da imprensa em caso incrementado por holofotes da Lava Jato.

Para ela, a aceitação passiva do discurso policial aliada à pressa por encontrar culpados e a imperícia no mais básico do jornalismo contribuíram para a morte “de cidadão privado do direito à presunção de inocência”. Abre-se aí um grande leque. E a Folha precisa ler sua ombudsman.

Leia o artigo a seguir.

na Folha

Jornalismo de ouvidos moucos

por Paula Cesarino Costa, ombudsman da Folha

O corpo no chão do shopping tornou-se trágico sinal de alerta.

A aceitação passiva do discurso policial, o açodamento na busca de culpados por desvios, a imperícia nas técnicas elementares de reportagem e a irresponsabilidade de agentes públicos contribuíram para a morte de cidadão privado do direito à presunção da inocência.

Por mais incisiva e rigorosa que seja a autocrítica da cobertura da imprensa na acusação e morte do reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, já se terá mostrado tardia, insuficiente e assustadora do viés punitivo de algumas das principais instituições sociais do país.

É preciso reconstituir o episódio. No caso da Folha, o jornal mantém à disposição do leitor a seguinte notícia : “Reitor da UFSC é preso em operação que apura desvio de verba em cursos”. A abertura do texto diz: “A Polícia Federal prendeu o reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, e outras seis pessoas ligadas à instituição nesta quinta-feira (14/09). Segundo a PF, o grupo é suspeito de desviar recursos que deveriam ser investidos em programas de Educação a Distância.”

Só no parágrafo seguinte esclarece que o reitor é, na realidade, suspeito de tentar barrar investigações.

A pedido de delegada da Polícia Federal que preside o inquérito, uma juíza que atuou em casos da Operação Lava Jato determinou a prisão de Cancellier e a sua proibição de entrar no campus. A operação foi batizada de “Ouvidos Moucos”.

Em depoimento, o reitor negou que tentasse barrar a apuração. Ficou preso um dia. Em artigo, escreveu que se sentia perplexo e amedrontado, submetido a humilhação e vexame sem precedentes.

Menos de 20 dias depois, Cancellier se atirou do alto da escada rolante de shopping, em Florianópolis. No bolso, um bilhete: “A minha morte foi decretada quando fui banido da universidade!!!”

Em sua versão eletrônica, a reportagem de setembro tem hoje um sinal de Erramos, produzido 23 dias depois de sua publicação: “A reportagem deixou de informar que o reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, era investigado por suspeita de interferir na apuração sobre o desvio de recursos na universidade, e não pelo desvio em si“.

A admissão do erro foi direta, mas insuficiente e demorada.

Em 7 de outubro, o jornal publicou reportagem que afirmava que, em carta enviada em julho à Polícia Federal, o corregedor da UFSC disse que vinha recebendo “os mais diversos tipos de pressão por não aceitar ser subserviente ao gabinete do reitor” da instituição. O advogado do reitor contrapunha que Cancellier agira dentro da lei e buscava informar a Capes sobre o episódio.

O editor do núcleo de Cidades, Eduardo Scolese, explicou que, sem correspondente em Florianópolis, as informações da primeira reportagem haviam sido apuradas por telefone e e-mail, sem contestação.

Não se trata aqui de discutir se o reitor estava de fato fazendo ouvidos moucos aos pedidos da polícia ou tentando interferir na investigação. O que interessa é refletir sobre a maneira como a mídia tem lidado com operações policiais que buscam holofotes em investigações ainda em andamento.

As reportagens de diferentes veículos eram quase iguais, feitas exclusivamente com base em poucas e confusas informações divulgadas pela Polícia Federal. Não identifiquei nenhum órgão de imprensa que tenha levantado inconsistências ou ao menos tentado relativizar as acusações apresentadas.

Esse comportamento não é exclusivo desse caso. Tem sido rotineiro diante de tantas investigações.

Questionei o secretário de Redação Vinicius Mota sobre a forma como o jornal vem abordando investigações recentes: “A Folha se preocupa, como está em seus documentos públicos, em não ser veículo involuntário de injustiças contra pessoas ou empresas. Para isso se compromete com protocolos como a necessidade de ouvir e destacar o outro lado e a correção explícita de erros detectados, como foi feito nesse caso”, respondeu.

O ambiente punitivo nascido da espetacularização da ação policial e dos procedimentos judiciais tem reflexos e responsabilidade da imprensa. Jornais e jornalistas não podem aderir a ondas nem de condenação de acusados nem de ataque aos investigadores. Precisam refletir sobre seu trabalho, reavaliar as ferramentas de controle, insistir na busca do relato jornalístico mais preciso e plural.

Certo comportamento de manada, em que um faz algo porque outro fez, deve ser vigiado e combatido.

Em alguns momentos, é preciso ter coragem para publicar. Em outros, a ousadia de não publicar.