Erro da ANEEL eleva conta de luz em todo o país em até 37%

seg, 26/03/2018 – 11:35 – Atualizado em 26/03/2018 – 11:35

Jornal GGN – A ANEEL quer corrigir os erros grosseiros, que cometeu na metodologia de cálculo das Bandeiras Tarifárias, impondo elevados aumentos na conta de luz dos usuários de todo o país, que podem chegar a exorbitantes 37%.

No período de julho a dezembro do ano passado, o intenso acionamento das usinas térmicas contribuiu para elevar ainda mais o custo de geração no País. As usinas térmicas utilizam combustíveis fósseis, o que torna a geração de energia mais cara. O mecanismo das bandeiras tarifárias, que tem o objetivo de cobrir parte desses custos, não foi suficiente. Somente no segundo semestre de 2017, as distribuidoras arcaram com um prejuízo que somado chega à casa dos bilhões de reais, sem a perspectiva de cobertura na tarifa.

Por causa disso, várias distribuidoras tiveram que contrair empréstimos nos bancos, para pagar a energia comprada. A ANEEL resolveu que esses empréstimos agora serão acrescidos nas tarifas, com juros e correção monetária.

Todas as distribuidoras do Brasil estão sendo obrigadas a transferir para os consumidores o rombo decorrente da barbeirada da ANEEL, sendo que 80% desse percentual dos aumentos nas contas de energia é impactado direta ou indiretamente pelo custo da energia que as empresas foram obrigadas a comprar.

Os reajustes anunciados de forma preliminar para todas as distribuidoras do Brasil são elevados.

Custo de energia em 2017

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) implantou as bandeiras tarifárias em 2015 e, desde então, elas vêm passando por mudanças metodológicas para refletir, da forma mais fiel possível, a realidade do sistema de geração de energia do país.

A partir de abril de 2015, o acionamento das bandeiras tarifárias passou a ser definido para todo o Sistema Interligado Nacional com base no maior valor do custo da última usina a ser despachada. Ou seja, a usina mais cara em funcionamento naquele momento era utilizada como parâmetro único, o que gerava distorções.

No final de outubro, a Diretoria Colegiada da Aneel decidiu por rever a metodologia das Bandeiras Tarifárias para ser aplicada, em caráter extraordinário, a partir de novembro de 2017, devido ao alto custo da compra de energia verificada no segundo semestre e ao descolamento entre receitas e despesas da conta bandeira. Essa nova metodologia leva em conta a previsão de geração hidráulica e a garantia física  das hidrelétricas.

Metodologia anterior

http://www.aneel.gov.br/documents/654800/14867739/Relatorio_do_Acionamento_das_Bandeiras_Tarifarias_abril2015-outubro2017.pdf/b447a504-543d-b336-4bfc-b502fd718b0d

Nova metodologia (a partir de novembro/17)

http://www.aneel.gov.br/documents/656877/16256259/Relat%C3%B3rio+do+Acionamento+das+Bandeiras+Tarif%C3%A1rias.pdf/466c63af-e459-7a70-5472-e41abcfe615a

O Gráfico 1 demonstra a disparidade entre as receitas e despesas da conta bandeira, deixando claro o alto custo suportado pelo caixa das distribuidoras neste período.

Bandeiras de junho a novembro de 2017

Com a metodologia antiga de cálculo

Junho 2017 – verde – sem aumento na conta

Julho de 2017 – amarela – aumento de R$ 1 a cada 100 kWh

Agosto de 2017 – vermelha patamar 1 – aumento de R$ 3 a cada 100 kWh

Setembro de 2017 – amarela – aumento de R$ 1 a cada 100 kWh

Outubro de 2017 – vermelha patamar 2 – aumento de R$ 5 a cada 100 kWh

Com a nova metodologia de cálculo

Novembro de 2017 – vermelha patamar 2 – aumento de R$ 5 a cada 100 kWh

Dezembro de 2017 – vermelha patamar 1 – aumento de R$ 3 a cada 100 kWh

Janeiro de 2018 – verde – sem aumento na conta

Fevereiro de 2018 – verde – sem aumento na conta

Março de 2018 – verde– sem aumento na conta