Facebook retira do ar 196 páginas e 87 contas ligadas ao MBL, diz Reuters

Foto: Felipe Malavasi/Democratize

Jornal GGN – A agência de notícias Reuters divulgou nesta quarta (25) que o Facebook comunicou a remoção de 196 páginas e 87 contas no Brasil por sua participação em “uma rede coordenada que se ocultava com o uso de contas falsas no Facebook, e escondia das pessoas a natureza e a origem de seu conteúdo com o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação”.
a
O comunicado não identifica as páginas ou usuários envolvidos, mas a agência afirma ter ouvido de fontes mantidas sob sigilo que a rede era administrada “por membros importantes do MBL”.
a
O MBL – Movimento Brasil Livre – ganhou notoriedade durante o impeachment de Dilma Rousseff, por ter capitalizado, em algumas cidades, as massas que foram às ruas contra o governo petista. Desde então, o grupo vem crescendo nas redes e entrando para a política, inclusive lançando candidatos a cargos públicos.
a
Segundo a Reuters, as páginas desativadas tinham, juntas, mais de meio milhão de seguidores e “variavam de notícias sensacionalistas a temas políticos, com uma abordagem claramente conservadora, com nomes como Jornalivre e O Diário Nacional.”
a
O MBL atuava de maneira a “divulgar suas mensagens coordenadas como se as notícias viessem de diferentes veículos de comunicação independentes, de acordo com as fontes.”
a
“Não há indicação de envolvimento estrangeiro na rede do MBL tirada do ar nesta quarta-feira, de acordo com as fontes”, acrescentou o portal.
a
A iniciativa faz parte do combate a fake news nas eleições presidenciais.
a
Em nota, o MBL disse que o Mark Zuckerberg é de “esquerda”, que as contas eram regulares e isso poderia ser verificado, e que vai tomar as providências cabíveis para retomar as páginas.
a
O movimento ainda disse que a ação do Facebook contraria a liberdade de expressão e que disseminar conteúdo de direita (liberal na economia e conservador nos costumes) não é crime.
a
O Facebook possui regulamento próprio que diz que contas falsas ferem as políticas da comunidade. Além disso, possui um capítulo prometendo empenho no combate às fakes news. Leia aqui.