Xadrez do governo Bolsonaro, por Luis Nassif

Peça 1 – como analisar o governo Bolsonaro

O primeiro cuidado é não tratar o governo Bolsonaro como um todo lógico e irreversível. Nem procurar estratégias geniais em algumas decisões, como o convite ao juiz Sérgio Moro para ser super-Ministro da Justiça, ou a Paulo Guedes para ser o super-Ministro da Economia.

Bolsonaro é tosco como uma rocha ao vento, sem a menor ideia do que fazer no governo, sem noção sobre os limites do poder de um presidente, sequer sobre os limites verbais, muito menos com capacidade para arbitrar a avalanche de questões que exigirão decisão de governo.

Por isso mesmo, assumindo haverá um embate interno entre os diversos atores que integrarão seu governo. No início, haverá um festival de cabeçadas, de impropriedades, de abusos, até que os setores mais articulados comecem a se impor sobre os demais.

As ações posteriores dependerão desse embate de forças, dos quais participarão também agentes de fora do governo, como STF (Supremo Tribunal Federal), mídia, mercado.

O governo será composto por vários subgrupos, sem uma voz de comando da presidência. Nos primeiros meses, haverá movimentos de parcelas da mídia, do empresariado, das forças de oposição prospectando eventuais aliados dentro dessa geleia geral.

Peça 2 – os atores caóticos

Na fase inicial, de caos, haverá dois grupos desorganizados atuando na máquina:

Grupo 1 – os agregados

Um dos riscos de qualquer tomada de cidadela, é o porre dos vitoriosos, o saque que costuma acometer exércitos sem comando e sem hierarquia. Foi assim no governo Collor, com a invasão da turma de Alagoas e aventureiros do Rio de Janeiro e Brasília. Nos primeiros anos, o mesmo problema acometeu o PT, com a ida para Brasília de militantes de várias partes do país, para assumir os novos cargos de governo, sem um acompanhamento e um controle centralizado.

O risco Bolsonaro é muito maior. Com a falta de quadros e de estrutura partidária, aventureiros de todos os cantos se apresentam como postulantes aos cargos de governo. Será a festa dos lobistas de Brasília e receita certa para, em pouco tempo, começarem a pipocar escândalos.

Grupo 2 – o grupo familiar

Junte a turma de Alagoas, no governo Collor, e inclua um amplo componente familiar, com todos os problemas daí decorrentes. Vai-se chegar ao governo Bolsonaro, com a família imperial com três filhos que, até agora, não conheceram limites para palavras e atos.

Antes de sentar na cadeira, um dos filhos de Bolsonaro já cedeu aos encantos da indústria de segurança de Israel – um dos lobbies mais atrevidos do país – e propôs a compra de drones assassinos.

Peça 3 – as referências de poder

Haverá pelo menos três polos de poder disputando espaço:

Polo 1 – a linha dura

É o pessoal mais barra-pesada, os tais dispostos a varrer as esquerdas do mapa da terra. É composta por militares da reserva e lideranças evangélicas. A ameaça da violência difusa ajudará a fortalecer os grupos mais racionais que vierem a integrar o governo.

Polo 2 – o partido do Judiciário

Sérgio Moro representará a violência formalizada, sob controle. Não permitirá extravagâncias, como a criminalização dos movimentos sociais ou o “excludente de ilicitude” – que autoriza comandantes a ordenar a policiais ou militares a execução de inimigos. Mas certamente ampliará o ativismo político da Polícia Federal, COAF (Conselho de Controle de Atividade Financeira), CADE (Conselho Administrativo de Direito Econômico), reforçando o caráter partidário dos tribunais superiores.

Por todo seu histórico e ambição, será o comandante de uma polícia política.

Houve quem sugerisse genialidade de Bolsonaro em convocar Moro. Longe disso. Em caso de desgaste de Bolsonaro, Moro será a âncora para qualquer transição que preserve os instrumentos de repressão política e social.

Polo 3 – a área econômica

Não se minimize Paulo Guedes, embora superministério seja uma engenhoca típica de quem pouco sabe sobre gestão pública. Melhor aguardar as primeiras medidas, algumas vazadas agora, mas sem passar pelo crivo da viabilidade política.

Deve-se olhar com atenção, também, a pauta da infraestrutura – que deverá ficar sob comando militar. Pelo que vazou até agora na imprensa, houve um levantamento bem feito de medidas a serem tomadas para reativar os investimentos, muitas das quais incluídas  em um trabalho minucioso do CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos) no final do primeiro governo Dilma Rousseff, mas não aproveitados devido ao caos que tomou conta da economia.

Uma coisa são planos, outro é a execução com suas limitações administrativas e políticas. Melhor aguardar.

Peça 4 – a disputa na oposição

Do mesmo modo que no governo, na oposição há uma disputa ferrenha de candidatos se colocando para o segundo tempo do jogo, tendo como mote central o antibolsonarismo.

Há consenso sobre a necessidade de um pacto amplo envolvendo todas as forças democráticas, sem preponderância de nenhuma delas. E até algum consenso sobre os pontos centrais do pacto. Mas cada força esbarra em suas limitações e na não superação de velhas idiossincrasias.

São elas:

O PT

Fernando Haddad emerge da campanha como o candidato melhor colocado para organizar o grande arco da oposição pela coragem, racionalidade e desprendimento com que se conduziu. Mas esbarra em dificuldades dentro do próprio PT, pela resistência da Executiva em dividir poder com outras forças.

A ideia de Haddad como um articulador apenas com aval do PT, com a Executiva preservando o controle do partido, não funciona. Haddad não atingirá seus objetivos de montar o pacto social se não presidir o PT e conduzir as transformações internas em paralelo com a montagem do pacto.

A esquerda não petista

Se não tivesse abandonado a luta no segundo turno, Ciro Gomes poderia ter se convertido nessa grande liderança aglutinadora. Queimou-se com a viagem e com as explosões verbais na volta. Com todos os setores racionais do país preocupados com o avanço da corrente conservadora, soou como um imenso desperdício de energia e de foco Ciro ter se envolvido em querelas de Twitter, e criticar mais o PT que o próprio Bolsonaro.

Os liberais

Já há algum tempo, entre setores da mídia e do clube dos bilionários, têm crescido uma tentativa de refundação do liberalismo econômico – tirando-o da companhia desagradável da direita e da ultra-direita. É um pessoal que tenta legitimar o liberalismo com propostas sociais e, dos quais, o interlocutor mais qualificado tem sido Eduardo Gianetti da Fonseca.

Há a preocupação de que as bandeiras do liberalismo econômico sejam comprometidas por Bolsonaro-Paulo Guedes, devido à ausência total de qualquer sensibilidade para temas sociais e de aceitação da diversidade.

O problema é sua dificuldade em abandonar o discurso fácil do antipetismo, como se fosse possível montar uma frente forte sem o PT.

Em seus artigos semanais, Fernando Henrique Cardoso tem tentado definir os princípios desse novo liberalismo – como um pouco mais de acabamento que as deploráveis definições de Luís Roberto Barroso. É o liberalismo na economia casado com o respeito à diversidade política e econômica, mas mantendo o ferrolho sobre lideranças sociais e do PT.

É por aí que haverá movimentos em direção a Sérgio Moro.

Peça 5 – as instituições

A nomeação de um general da reserva como seu assessor pessoal não foi um gesto gratuito do novo presidente do STF Dias Toffolli. Não precisava exagerar, questionando a designação de golpe para o golpe de 1964. Mas segue a estratégia do Supremo de se aproximar do alto comando das Forças Armadas, como uma vacina contra eventuais loucuras do governo Bolsonaro. As principais manifestações do STF – como a nota oficial contra as invasões de Universidades – foram submetidas ao general para não criar nenhuma fricção com o Alto Comando.

Do mesmo modo, parte da imprensa caminhará nesse espaço, testando os limites da repressão bolsonariana.

Depois, explodirão alguns escândalos aqui e acolá. Mas apenas quando houver sinais consistentes de reversão da opinião pública em relação a Bolsonaro, é que ousará passos mais ousados.

Peça 6 – os próximos movimentos

No início do governo Bolsonaro, haverá a tentativa da mídia de naturalizar a verborragia de Bolsonaro e mesmo de minimizar algumas radicalizações políticas. A tendência dessa frente institucional – parte da mídia, Supremo, Procuradoria Geral da República- será a de não tratar o governo como algo uno e indivisível.

Como tentei mostrar, há um xadrez extremamente complexo, com muitos jogadores com interesses conflitantes integrando o governo e a oposição.

Não há como prever cenários prováveis. Os resultados dependerão de inúmeras variáveis que surgirão no decorrer do mandato de Bolsonaro.